26 de agosto de 2006

Pistas...

O Prof. Joaquim Brasil-Neto deixou a pista no seu blog, NeuroNews e eu segui-a até um artigo fabuloso da Scientific American.

Como é que as pessoas se tornam especialistas numa determinada área? O que é necessário para atingir níveis de excelência numa determinada actividade?

Ou, no original:

But how do the experts in these various subjects acquire their extraordinary skills? How much can be credited to innate talent and how much to intensive training? Psychologists have sought answers in studies of chess masters. The collected results of a century of such research have led to new theories explaining how the mind organizes and retrieves information. What is more, this research may have important implications for educators. Perhaps the same techniques used by chess players to hone their skills could be applied in the classroom to teach reading, writing and arithmetic.

Do artigo resulta a ideia de que o talento, a excelência é criada não inata, ou seja, parece ser muito mais o resultado de um estudo contínuo do que de habilidades mentais inatas!

Quais são, então, os tijolos para construir um especialista? Seguindo os pontos do Blog Disert Paths aqui ficam algumas ideias:

1. Tempo: a construção de estruturas cognitivas leva tempo. Herbert Simon, prémio Nobel e reputado investigador, estabeleceu uma regra de dez anos de investimento/treino intensivo para alguém se tornar um perito em algo. Este prazo e a necessidade de investimento quotidiano são já reconhecidos em termos de treino físico.

2. Desejo/vontade: o quanto alguém quer ser perito, o quanto está motivado para investir o seu tempo e disponibilidade na área em causa vale mais do que qualquer ideia (nada provada de acordo com o estudo) de que temos "jeito" ou de que nascemos para. É a nossa "disposição para" que marca a diferença.

É feita explícita referência no artigo ao terrível hábito dos professores de classificarem as crianças como tendo ou não jeito para as diferentes áreas!! E o quanto essa expectativa influencia de seguida o desempenho das mesmas crianças!!

3. Um professor/orientador: que "empreste" e apoie a apropriação/criação de estruturas mentais (teorias) que organizam a informação, absolutamente necessária!!, e formas de a agregar e mobilizar.

4. Desafios: é necessário que o aluno esteja sempre motivado a buscar realizações acima da sua capacidade em cada momento, caso contrário deixará de fazer progressos.

Dez anos passam num instante, é preciso começar JÁ!!!! :)

Experienciado por Maria @ 12:57 da tarde


1 Comentarios:

At segunda-feira, agosto 28, 2006 1:20:00 da tarde, Blogger Prof. Teresa disse...

Voltei.... para divulgar este blog ao qual eu gostaria que, quando tivessem oportunidade, tu e o N. dessem alguma atenção e deixassem comment. Merece. Pertence a um dos meus virtuais amigos.

http://aprendereensinar.blogspot.com/

Obrigada

 

Enviar um comentário

» Home

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal
Minha página

Eu no LinkedIn

your virtual pet!

Noutros sítios:
Fotos no Flickr.com
Projecto NetInfância
Registos do doutoramento
Blogs de PP
A par e passo

Posts daqui:

Powered by Blogger
Design by Beccary

PapaFormigas.com