13 de outubro de 2009

o livro não conheço, a preocupação partilho-a

Notícia no I
(que pelos vistos precisa de fotos de salas de aula estrangeiras para ilustrar a notícia...)

As crianças passam demasiado tempo na escola
por Agência Lusa, Publicado em 09 de Outubro de 2009

Segundo a investigadora, as crianças entre os seis e os 12 anos “trabalham hoje para e na escola, no seu ofício de alunas, cerca de oito a nove horas diárias, ou seja, cerca de 40 a 45 horas semanais”.

“A intenção deste livro é criar um debate público sobre a questão da ocupação das crianças e, de alguma maneira, alertar para o direito das crianças”, disse à agência Lusa a investigadora do Centro de Investigação e Intervenção Educativas da Universidade do Porto.

A desenvolver um trabalho de investigação sobre questões levantadas pelo conceito de “Escola a Tempo Inteiro e as Actividades de Enriquecimento Curricular”, a autora considera que “as crianças estão muito ocupadas, têm muitos trabalhos e actividades para fazer todos os dias” ficando sem tempo para brincar.

“Essas actividades podiam ser brincar, mas são sempre em função da escola”, sublinha, acrescentando que “os pais têm uma preocupação muito excessiva em relação ao tempo escolar”.

A investigadora ressalva que escola a tempo inteiro é uma medida óptima, mas as crianças deviam fazer as actividades que elas pudessem escolher. “A grande questão não é só a quantidade de actividades que fazem, mas o facto da metodologia prevalecente nessas actividades ser sempre orientadas pelos adultos e elas nunca poderem escolher. São aulas atrás das aulas”, sustenta.

Para Maria José Araújo, é preciso “repensar o modelo da escola”. “Este modelo não pode continuar porque as crianças não aguentam”, realçou.

No livro, a autora, que trabalha há 19 anos com crianças, tenta responder às seguintes perguntas: “Fará sentido que, na sociedade contemporânea, as crianças trabalhem mais do que as 40 horas que achamos razoáveis para os adultos? Fará sentido prolongar de tal modo as suas ocupações que não lhes deixamos tempo para brincar e descansar? Será que temos o direito de ocupar e condicionar o tempo livre das crianças depois de um dia de Escola?".

“A angústia dos pais para que as crianças trabalhem muito para ser alguém, como se as crianças não fossem já hoje alguém, pode comprometer tanto o seu presente como o seu futuro”, sublinha.

Maria José Araújo explica que este livro é, sobretudo, o “resultado de muitos anos de trabalho com crianças e adultos, de muita brincadeira com ambos e de muita preocupação colectiva sobre as consequências negativas que resultam do excesso de trabalho e de actividade organizada para os mais pequenos”.

É, fundamentalmente, um alerta para a questão dos direitos das crianças. "Sobre as crianças aprendi mais com elas do que com os adultos ou com os livros", remata.

O livro "Crianças Ocupadas", de Maria José Araújo e editado pela Prime Books, será lançado sábado, pelas 18:00, na Livraria Salta Folhinhas, no Porto.

A apresentação da obra será feita por Agostinho Ribeiro, professor jubilado da Universidade do Porto, e por Dulce Guimarães, da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Porto Oriente e da Associação de Ludotecas do Porto.

Experienciado por Maria @ 3:49 da tarde


1 Comentarios:

At segunda-feira, outubro 19, 2009 11:44:00 da tarde, Anonymous tichinha disse...

salvem as crianças, querem fazer omeletes sem ovos...depois é no que dá, olhamos para os olhos delas e parece que pedem misericórdia! doi...

 

Enviar um comentário

» Home

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal
Minha página

Eu no LinkedIn

your virtual pet!

Noutros sítios:
Fotos no Flickr.com
Projecto NetInfância
Registos do doutoramento
Blogs de PP
A par e passo

Posts daqui:

Powered by Blogger
Design by Beccary

PapaFormigas.com